(41) 3324-1541
Voltar

Noticias

11/05 - Produção de veículos cai e estoque chega a 50 dias

Abril foi o sexto mês consecutivo de queda naprodução de veículos na comparação anual. Com 217 mil unidades produzidas entre modelos leves e pesados houve expressiva retração de 21,7% sobre o mesmo mês de 2014. Na comparação com março a baixa foi um pouco mais leve, de 14,5%. Os dados da Anfavea, associação que representa os fabricantes do setor, foram divulgados na quinta-feira, 7. No acumulado do ano foram feitos 881,7 mil veículos, com baixa de 17,5% sobre os primeiros quatro meses do ano passado. 

-Veja aqui as estatísticas da Anfavea

A forte queda na produção no primeiro quadrimestre foi puxada pelo segmento de caminhões, que reduziu em 45,2% o ritmo no período para 30,1 mil unidades. A fabricação de ônibus também teve queda expressiva, de 26,6%, para 9,7 mil chassis. Já as linhas de montagem de veículos leves reduziram em 15,8% as atividades na comparação com janeiro a abril do ano passado. Foram feitos 841,8 mil automóveis e comerciais leves no período.

O tombo provocou nova subida no já elevado nível de estoques. Foram adicionados 6,8 mil carros aos pátios das fábricas e concessionárias, totalizando 367,2 mil unidades armazenadas. O volume é o suficiente para 50 dias de vendas, um a mais do que o apontado na estatística de março. “Admito que os estoques ainda estão bastante altos. A tendência é de que sejam feitos novos anúncios de férias coletivas, layoffs e outras medidas para adequar o nível de produção à demanda do mercado”, prevê Luiz Moan, presidente da Anfavea. 

Em abril houve mais uma sensível redução no número de trabalhadores atuantes nas montadoras, de 0,9% para 139,5 mil pessoas. No acumulado do ano, no entanto, a diminuição do quadro de funcionários é expressiva, de 9,5% na comparação com os primeiros quatro meses de 2014. Foram cortadas 14,6 mil vagas da indústria automotiva nos últimos 12 meses considerando apenas as fabricantes de veículos. 

Apesar de reconhecer que não há perspectiva de que o ritmo das fábricas tenha aceleração expressiva nos próximos meses, Moan assegura que a indústria concentra esforços na manutenção dos empregos. “Mesmo com excedente de pessoal as empresas querem preservar ao máximo seus funcionários, que são treinados e qualificados”, aponta. Como medida nesta direção a Anfavea negocia com o governo a implementação do Plano de Proteção ao Emprego (PPE), capaz de flexibilizar algumas regras e encargos para que as empresas consigam manter os trabalhadores mesmo em períodos de crise.

Uma das sugestões é aumentar o período permitido para a suspensão temporária de contratos de trabalho, os layoffs, que têm sido amplamente adotado pelas montadoras recentemente. Hoje o afastamento máximo é de cinco meses.

EXPECTATIVAS 

Moan tenta amenizar o cenário para os próximos meses, apesar de não haver por enquanto nenhuma perspectiva de melhora da demanda e, consequentemente, da produção de carros. Ele espera que o governo conclua logo a fase de anúncio das medidas de ajuste fiscal. “O importante é esclarecer as regras do jogo e passar tranquilidade ao mercado, para que os setores recuperem a confiança”, analisa . Dessa forma, na visão dele, o mercado poderá paulatinamente voltar a um patamar mais saudável de vendas. 

Paralelamente o executivo aposta na melhora do nível de exportações com o estabelecimento de novos acordos comerciais internacionais e com o fortalecimento de parcerias já existentes. O dirigente aguarda que seja aprovado ainda no primeiro semestre o Plano Nacional de Exportações, programa do governo que pretende tornar os produtos brasileiros mais competitivos no mercado internacional baseado em três pilares: novos acordos internacionais, financiamento às exportações, seguro às vendas externas.

Mesmo diante da complicação do cenário, a Anfavea sustenta as projeções anunciadas no início de março. Na análise da entidade a produção de veículos ficará 10% menor em 2015 na comparação com o ano passado, com a montagem local de 2,8 milhões de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. Para convergir para este volume a indústria deve acelerar o ritmo nos próximos meses e manter média mensal de pelo menos 243,8 mil veículos até dezembro deste ano. O nível é elevado na comparação com o registrado no início 2015. De janeiro a abril a indústria local fez, em média, 220,4 mil carros por mês.

Moan reconhece que o mercado brasileiro “dificilmente voltará a registrar o crescimento de dois dígitos” anotado há poucos anos. Ainda assim, ele acredita que as empresas que investiram no País recentemente terão o retorno que procuram. “Estudo da Anfavea sobre o cenário para 2034 mostra que devemos atingir o patamar de 7 milhões de unidades por ano”, enfatiza. Segundo ele, é este panorama que as montadoras que decidiram produzir ou ampliar fábricas locais tinham em mente quando decidiram vir para cá.


http://www.automotivebusiness.com.br/

Sobre as entidades

A Fenabrave-PR (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores – Regional Paraná) e o Sincodiv-PR (Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos no Estado do Paraná) são as entidades que representam a categoria da distribuição de veículos no Paraná.

Siga-nos

Contato

  • Sindicato dos Concessionários e Distribuidores de Veículos do Estado do Paraná e Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores - Regional Paraná.

    Rua Visconde do Rio Branco, 1341 - Centro
    Curitiba - PR - 80420-210
  • (41) 3324-1541
  • fenabrave@fenabrave-pr.com.br
  • sincodivpr@sincodiv.com.br